quarta-feira, 29 de maio de 2013

Instituto Memorial do Salto Triplo ganha quadro em homenagem a João do Pulo

A Associação desportiva e Cultural Atletas do Bem, recebe no Mercure Hotel São Paulo Paulista,  membros do Instituto Memorial do Salto Triplo, para entrega da obra de Giuseppe Ranzini, "João do Pulo", ao Instituto. A obra faz parte da Mostra "Atletas negros que marcaram o século XX," com curadoria de Sandra Honors e realização Atletas do Bem em parceria com Hotel.
Recebemos também a ilustre presença da Campeã Olímpica Maurren Maggi, que prestigiou a cerimônia de entrega da obra  e nos encantou com sua visita à mostra!

Sandra Honors
Curadoria e Produção Cultural
Coordenadora de Eventos Culturais dos Atletas do Bem




Curadora Sandra Honors, Luiz Roberto rodrigues, Neuri Dantas, Maurren Maggi e  Ranzini






O Instituto Memorial do Salto Triplo (IMST) receberá, a partir de 1º de junho, quadro em homenagem ao medalhista olímpico João do Pulo. A obra de Giuseppe Ranzini representa o salto do atleta que rendeu o recorde mundial da prova nos Jogos Pan-Americanos de 1975, na Cidade do México. O trabalho do artista está em destaque na exposição Coletiva de Arte ‘Atletas negros que marcaram o século XX’, no Hotel Mercure São Paulo Paulista e será doado pela Associação Desportiva e Cultural Atletas do Bem ao IMST no final do mês. Além de João do Pulo, outro ícone da modalidade, Adhemar Ferreira da Silva, também ganhou um quadro.

"Para o Instituto Memorial do Salto Triplo, a obra é um reconhecimento por todo trabalho de recuperação da memória da modalidade. É uma homenagem prestada aos atletas do passado, estimulando toda uma geração que surge", diz o presidente do IMST, Luiz Roberto Rodrigues. "Receber o quadro de um dos maiores atletas brasileiros de todos os tempos não tem preço. Nosso acervo ainda é pequeno, mas a cada ano recebemos mais objetos e memórias que retratam o salto triplo e seus ícones. O IMST foi criado para preservar a prova que mais rendeu medalhas olímpicas ao País."




O professor Neuri Dantas, presidente da Associação Desportiva e Cultural Atletas do Bem, emenda: "A associação, desde sua fundação, sempre se preocupou com o bem estar físico e mental de nossos atletas e nossas crianças, realizando competições esportivas para o público adulto, assim como competições escolares, além de incentivar a prática da leitura em projetos culturais em escolas públicas. Nesse momento, por meio da curadoria de Sandra Honors, buscamos a interpretação, o sentimento e a visão de vários artistas com relação aos esportes e aos atletas que se destacaram no passado, tudo isso num formato de uma exposição coletiva de arte”.


A campeã olímpica Maurren Maggi foi uma das convidadas de honra da mostra. A atleta tirou fotos ao lado do quadro e reconheceu a importância da homenagem. "Espero, um dia, ganhar uma obra como essa. São exposições que marcam a história do nosso esporte e todos devem prestigiar", afirma Maurren Maggi, campeã olímpica em Pequim/2008.

A atleta também gostou do outro quadro da mostra, o que retrata um salto do bicampeão olímpico Adhemar Ferreira da Silva. "São-paulino e meu ídolo. O Adhemar inspirou a minha carreira. É merecido. Eu tirei a foto no meio das duas obras" conta Maurren.

Integrantes da nova geração das provas do salto triplo e distância, Caio Cesar, Kauam Kamal, Claudine Paola Gimenes e Jonathan Henrique visitaram a exposição em São Paulo, acompanhados pelos mais experientes Jefferson Sabino e Maurren Maggi. A maioria deles fez sua estreia em mostras desse tipo.

"É a primeira vez que vejo uma obra que retrata o esporte. É claro que vendo os quadros dos atletas, penso um dia em ser retratado, mas é preciso ainda construir uma história. Tenho muitos saltos pela frente", atesta Jonathan Henrique, uma das promessas do atletismo brasileiro para 2016.

Os atletas atuais reconhecem a importância de João do Pulo e Adhemar Ferreira da Silva para o esporte nacional. "Eles foram os heróis do salto triplo brasileiro e, mais do que isso, do atletismo. Suas medalhas, recordes e conquistas inspiraram gerações", lembra Kauam Kamal.

Arte disciforme - O quadro foi pintado, segundo Giuseppe Ranzini, no estilo arte disciforme, ou seja, uma expressão artística baseada na utilização da imagem de discos com acabamento tridimensional. "Para se inspirar nas celebridades do atletismo, é preciso conhecer um pouco sobre a vida deles. Quando fui convidado a participar da exposição, fui pesquisar sobre os feitos dos atletas. Fiquei emocionado com a história do João do Pulo, que infelizmente perdeu a vida muito cedo. Foram cinco dias de imersão", disse, emocionado, Giuseppe Ranzini.

Mais sobre João do Pulo -João Carlos Oliveira nasceu em Pindamonhangaba (SP) em 1954 e brilhou nas pistas pelo mundo. O atleta foi recordista mundial do salto triplo por 10 anos e subiu ao pódio olímpico duas vezes: bronze (Montreal/76) e bronze (Moscou/1980). O atleta tem quatro ouros pan-americanos. Um deles 1975, na Cidade do México, em 15 de outubro de 1975, resultou no recorde mundial da prova (17,89 m). João do Pulo morreu aos 45 anos, em 1999.

Atletas negros - A exposição Coletiva de Arte ‘Atletas negros que marcaram o século XX’ termina no dia 31 de maio. As obras destacam, além de João do Pulo e Adhemar Ferreira da Silva, outros ícones mundiais como Pelé e Garrincha. O evento é uma iniciativa da Associação Desportiva e Cultural Atletas do Bem em parceria com o Mercure São Paulo Paulista. A curadoria é de Sandra Honors, que coordena o departamento de Arte e Cultura dos Atletas do Bem. A mostra, com entrada franca, pode ser vista no hotel, localizado na Rua São Carlos do Pinhal, nº 87, Bela Vista.

http://www.atletismofpa.org.br/Home/tabid/740/ctl/Details/mid/907/ItemID/3941/Default.aspx

Nenhum comentário:

Postar um comentário